Washington Post: por que o euro afunda Grécia, Holanda e Finlândia, enquanto a Islândia cresce

Desde 2007, as economias nacionais da Finlândia e da Holanda cresceram menos do que a economia da Islândia, que “faliu” em 2008. A utilização da moeda nacional ajudou a Islândia a sair da recessão, enquanto a moeda comum exacerbou os problemas econômicos dos países da zona do euro.

EuroQuebrado

Ambos os países seguiram as regras da União Europeia, mas o resultado de medidas tomadas pelos governos da Finlândia e Holanda foi “catastrófico”. “O problema é a moeda comum. A utilização do euro é pior do que a falência”, escreveu o colunista do Washington Post, Matt O’Brien, em seu artigo explicando as causas da situação crítica que ambos os países estão enfrentando.

A economia da Finlândia foi seriamente prejudicada pela Apple. A renda do país dependia da exportação de telefones Nokia e produtos de papel, mas de acordo com o ex-primeiro-ministro, Alex Stubb, o iPhone matou ambas as indústrias. “A redução dos custos pela desvalorização seria o método mais simples para compensar as perdas”, diz Matt O’Brien.

Mas a Finlândia, que usa o euro, não tem nenhuma moeda para desvalorizar, então tudo o que ela poderia fazer é reduzir o seu orçamento, cortando os salários, tal como exigido pelas regras da UE. Isto não só levou um longo tempo, mas também prejudicou ainda mais a economia nacional: a Finlândia tem sofrido a recessão mais longa de sua história.

Os países da zona euro não podem desvalorizar suas moedas ou cortar as taxas de juros, de modo que seus problemas econômicos nunca são resolvidos

Explicando o caso holandês, o colunista do Washington Post diz: “A Holanda tem uma enorme bolha imobiliária. O endividamento das famílias no país é o maior na zona do euro. A política de austeridade implementada pelo governo local não melhorou a situação: a economia não cresce desde 2007”.

E como é que a Islândia, que viu sua economia tornar-se um fundo de hedge e entrou em colapso em 2008, pode agora bater a Finlândia e a Holanda? A resposta é certeira: “Ela não está usando o euro, tem sua própria moeda, a coroa islandesa”, destaca Matt O’Brien.

A Islândia perdeu 60% do seu poder de compra quando a Coroa caiu, mas isso ajudou a economia do país, tornando seus produtos mais competitivos no exterior. Graças à desvalorização, o país sofreu uma recessão em vez de uma depressão e logo se recuperou.

“Os países da zona do euro não podem desvalorizar suas moedas ou cortar as taxas de juros, de modo que seus problemas econômicos nunca são resolvidos”, diz O’Brien. “A camisa de força do euro torna problemas simples em extraordinários (Finlândia) e problemas extraordinários em problemas históricos (Grécia)”.

Compartilhe este artigo com seus amigos.
Share on FacebookEmail this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page