O pesadelo da perda da Amazônia existe, e agora tem mapa, programa e “justificativa”

O Governo da Colômbia abraçou o plano de uma ONG vinculada à Casa Real Britânica e está propondo a internacionalização de uma faixa da Amazônia. Detalhe: 61% da área está no Brasil. O articulista Rogério Maestri questiona neste artigo, publicado no site GGN do jornalista Luis Nassif, a desculpa do “corredor ambiental”.

Por Rogério Maestri

Quando alguém fala da pretensão de países do primeiro mundo através de causas ambientais em se apropriar da Amazônia é chamado de paranoico, psicótico e defensor de fazendeiros e madeireiros. Falava-se muito de um mapa norte-americano em que a Amazônia já era considerada uma grande reserva ambiental, porém dados reais sobre esta ameaça eram quase uma lenda urbana do que qualquer outra coisa. Porém, nos dias atuais, chega uma proposta de internacionalização da Amazônia com mapa, proponente e superfície, o chamado Corredor Ecológico Triplo A.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos, presidente do único país da América do Sul que possui bases das forças armadas norte-americanas (sete ao todo, Palanquero, Apiay, Malambo, Cartagena, Tolemaida, Larandia y Bahía Málaga) e recebe ajuda militar dos Estados Unidos simplesmente para combater as drogas, propôs um “ambicioso programa” de criar o chamado Corredor Ambiental Triplo A na América do Sul.

O que significa este Corredor Ambiental Triplo A? Simplesmente um corredor que daria continuidade entre os Andes até o Atlântico passando pela Amazônia. Certo, segundo definição da Wikipédia, um “Corredor ecológico ou corredor de biodiversidade é o nome dado à faixa de vegetação, que podem ter por objetivo ligar grandes fragmentos florestais ou unidades de conservação separados pela atividade humana (estradas, agricultura, clareiras abertas pela atividade madeireira, etc.), possibilitando o deslocamento da fauna entre as áreas isoladas e, consequentemente, a troca genética entre as espécies e a dispersão de sementes.”

Da definição de corredor tem-se: Passagem estreita e alongada; galeria; caminho coberto. Ou seja, um corredor é uma passagem estreita não LARGA para a passagem. O corredor proposto pelo Presidente Santos teria a largura dentro do Brasil variando de 50 km junto a Venezuela, que neste caso cederia do seu lado mais 50 km, e nas partes mais largas no Brasil teria 500 km, ou seja, seria mais largo do que os mais compridos corredores ambientais do mundo.

corredor

É importante ressaltar que a expressão Corredor Ambiental não se aplica a esta área, pois corredores ambientais são, como induz o nome, áreas compridas e estreitas que ligam duas ou mais áreas de preservação que estão separadas e as espécies que estão restritas nestas áreas por endogamia poderiam sofrer processos de degradação. No caso da Amazônia, os parques e as reservas ambientais são tão extensos que geralmente não necessitam corredores interligando-as.

A ideia deste corredor monstro partiu da ONG Gaia Amazônia, (http://gaiaamazonas.org/) que apresenta um belo site em inglês e espanhol, português parece que não é muito necessário pois somente 61% do corredor ficará dentro do Brasil, numa área equivalente a 3,7 vezes o estado de São Paulo!

Esta Fundação Gaia Amazônia é uma filial da Gaia Foundation, estreitamente vinculada à Casa de Windsor, a família real britânica, tendo no seu conselho de curadores de quatro membros, Jules Cashford escritora, palestrante e autora de livros sobre mitologia, e Edward Posey, ex-piloto da RAF que trabalhou para o National Service inglês (órgão responsável pelo recrutamento militar) e um tempo depois se viu emocionado com a situação do mundo dedicando os últimos trinta anos de sua vida a atividades filantrópicas como a de imiscuir-se nos países do terceiro mundo, e ainda recebeu a Ordem do Império Britânico (OBE) por serviços ao governo inglês na Gaia Fondation (está assim no seu currículo no site!). Além de um engenheiro norte-americano, ainda temos a Marquesa de Worcester, a conhecida Marquesa Verde. Ativista social e ambiental, a última causa que ela abraçou em 2013 é a de que as nobres inglesas possam guardar os seus títulos de nobreza através da linha feminina, algo extremamente importante para o movimento feminista internacional.

A ideia deste projeto é unificar todas as áreas indígenas para que nelas sejam introduzidas o conceito de AATIs – Associations of Indigenous Tradicional Authorities, um conceito de autogovernação das tribos indígenas sob a orientação da Gaia Fondation (fica implícito), pois segundo a proposta “É o único modelo de responsabilidade compartilhada para a proteção da floresta amazônica.” (Só não dizem com quem que será compartilhada esta responsabilidade).

Esta sugestão vai ser levada pelo Presidente Santos para COP 21 em Paris. Objetivo: salvar o mundo do aquecimento climático.

Este plano já é divulgado em toda a imprensa internacional e aqui no Brasil a repercussão não existe.

Mais informações em:

http://wp.presidencia.gov.co/Noticias/2015/Febrero/Paginas/20150216_02-C…

http://www.gaiafoundation.org/news/gaia-amazonas-inspires-climate-change…

http://www.dw.de/planning-the-worlds-largest-protected-area/a-18271572

http://latino.foxnews.com/latino/news/2015/02/14/colombia-proposes-world…

http://www.wildlifearticles.co.uk/colombia-plans-ambitious-worlds-larges…

 

Compartilhe este artigo com seus amigos.
Share on FacebookEmail this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page