Desde 2010 MPT admite cobrança de taxa sindical dos não sindicalizados

O CONALIS, órgão do Ministério Público do Trabalho, estabeleceu em 2010 diretrizes para a atuação do MPT em matérias sindicais. Veja abaixo.

São Paulo (SP), 05/05/2010 – A 2ª reunião nacional da Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade Sindical (CONALIS) aprovou cinco orientações a guiarem os seus trabalhos. Para o coordenador da CONALIS, Ricardo Macedo, a realização do congresso da CONALIS, que ocorreu no dia anterior à reunião (04/05/2010), também em São Paulo, foi fundamental: “o congresso trouxe novas idéias e facilitou o debate, a reunião foi muito produtiva”.

ORIENTAÇÕES – O primeiro ponto diz respeito ao financiamento patronal a sindicatos, que, no entendimento da coordenadoria, configura afronta à liberdade sindical.

Quanto à contribuição confederativa, decidiu-se que ela aplica-se apenas aos filiados dos sindicatos, segundo a súmula 666 do STF.

A coordenadoria acordou que a cobrança da contribuição assistencial dos trabalhadores (também chamada de contribuição negocial) é possível, tanto para trabalhadores filiados aos sindicatos quanto para os não filiados, mas devem ser atendidas algumas condições. São elas: a contribuição deve ser aprovada em assembléia geral convocada para este fim, com ampla divulgação, garantida a participação de sócios e não sócios, realizada em local e horário que facilitem a presença dos trabalhadores, desde que assegurado o direito de oposição, manifestado perante o sindicato por qualquer meio eficaz de comunicação (observados os princípios da proporcionalidade e razoabilidade, inclusive quanto ao prazo para o exercício de oposição de ao valor da contribuição).

Outra deliberação importante foi a determinação de que o incentivo patronal ao exercício do direito de o trabalhador opor-se à contribuição assistencial/negocial configura ato antissindical.

A CONALIS determinou, ainda, que os atos que importem em malversação ou dilapidação do patrimônio das associações ou entidades sindicais são de interesse público tutelável pelo MPT.

Fonte: Ministério Público do Trabalho

Leia também: Até quando os sindicatos trabalharão de graça?

Compartilhe este artigo com seus amigos.
Share on FacebookEmail this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
One comment on “Desde 2010 MPT admite cobrança de taxa sindical dos não sindicalizados
  1. Olá amigos,

    Gostaria de saber se a proposta foi aprovada,

    temos diversas empresas e associados que

    ficam revoltados que pagam anualmente suas

    contribuições e na hora dos acordos não podem

    autorizar uma contribuição assistencial.

    Isto é certo ?.

Comments are closed.