“A dívida grega deve ser perdoada, como a da Alemanha em 1953”, afirma Noam Chomsky

“Em 1953, a Europa perdoou a maior parte da dívida da Alemanha para que fosse capaz de reconstruir os danos da guerra”, disse Chomsky à cadeia Euronews.

Noam-Chomsky

O filósofo destaca que o partido de esquerda Syriza chegou ao poder na Grécia expressando as opiniões de que a Grécia não deveria mais se submeter a Bruxelas e às políticas dos bancos alemães, porque estas políticas estavam destruindo o país.

Repercutimos a partir de postagem do IBEP – Instituto Brasileiro de Estudos Políticos. A reportagem foi publicada pelo Rebelión, no último dia 30. A tradução é do Cepat.

“Na realidade, o efeito destas políticas implicou no aumento da dívida da Grécia em relação a sua produção de riqueza. Provavelmente, metade dos jovens estão desempregados, provavelmente 40% dos gregos vivem abaixo da linha da pobreza, a Grécia está sendo destruída”, apontou Chomsky.

“Quem fez esta dívida? A dívida foi contraída, em parte, pelos ditadores. Sendo assim, na Grécia, a ditadura fascista, apoiada pelos Estados Unidos, foi a responsável por uma grande parte da dívida”, destacou o analista.

A Grécia deve à Troika de credores internacionais, que inclui o FMI, a União Europeia e o Banco Central Europeu, 316 bilhões de euros. Em fevereiro, as autoridades gregas e os ministros de Finanças da zona do euro concordaram em prolongar o resgate do país em quatro meses. Em virtude do acordo, a Grécia se comprometeu a aplicar uma série de reformas econômicas para reativar sua economia.

Compartilhe este artigo com seus amigos.
Share on FacebookEmail this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page